Arquivo da categoria: Botafogo 2015

Santa Cruz 1 x 0 Botafogo: Complicou

Desculpem pela demora para atualizar o blog, mas obrigações profissionais me limitam o tempo e impedem uma atualização a cada rodada.
Só dá para dizer que, mesmo com a troca de técnico (e acho que a diretoria acertou ao promover a mudança), o problema maior está na inacreditável dificuldade do Botafogo criar chances de gol. No segundo tempo da partida disputada no Arruda, conseguiu a proeza de não chutar a gol nem uma vez, uma solitária vez.
Assim não tem Luis Henrique ou Navarro que resolvam.
A situação está mais complicada a cada rodada.
Diante desse quadro, uma lembrança à diretoria, enquanto ainda há tempo:
Cair para a Série B é vexame.
Não subir no ano seguinte é tragédia.

PS: Você pode acompanhar comentários, palpites e impropérios durante a partida via twitter, na conta @fogoeterno.

Bragantino 1 x 0 Botafogo: Grito de alerta

Uma vitória nos últimos cinco jogos.
Duas derrotas para time bem inferiores – Macaé e Bragantino.
Um empate em casa com um dos últimos colocados, Boa Esporte Clube.
Um meio de campo que pouco ou nada produz.
Uma dupla de volantes que, antes séria e comprometida, agora erra por displicência (Arão) ou por limitação técnica (Giaretta).
Tá na hora de dar o grito de alerta.
Tá na hora de repensar a eficácia do trabalho do René Simões.

Botafogo 5 x 0 Sampaio Correia: Nasce uma Estrela

boanoiteluishenrique

Dois gols na estreia como profissional, mais um drible desconcertante e uma assistência para outro gol.
Luis Henrique tem apenas 17 anos, mas futebol de gente grande: velocidade, talento e frieza para definir. Ele destravou o ataque do Botafogo no confronto com o bom time do Sampaio Correia – ao seu lado, Pimpão não apenas balançou as redes duas vezes, como produziu muito mais.
Uma grande estreia de um grande garoto. O que era um jogo difícil virou fácil, virou goleada. Graças à entrada do atacante.
O mundo começa agora, Luis Henrique. Apenas começamos.

Botafogo 3 x 0 Mogi Mirim: Hábito de vencer

Infelizmente, não está sendo possível atualizar o blog com a frequência desejada, jogo a jogo, ainda mais agora que começou a fase de duas partidas por semana.
Mas, depois de mais uma vitória em casa, contra o fraquíssimo Mogi Mirim, já dá para registrar – e comemorar – a boa fase do time, que ganha seus jogos com a autoridade de quem mostra aos adversários que está apenas de passagem pela Série B. Mesmo quando sente a falta de alguns de seus principais jogadores (e Willian Arão fez falta nessa partida), o Botafogo consegue se impor com certa facilidade, aproveitando a fragilidade de boa parte dos rivais.
Felizmente, não foi diferente na noite de sexta-feira, no horário ingrato das 21h50, em jogo assistido por 8.700 heroicos alvinegros que foram até o Nilton Santos apoiar o tempo inteiro.
Quando o Botafogo resolveu ser objetivo, resolveu a partida – bastou 30 minutos de futebol, no início do segundo tempo, para fazer mais dois gols e assegurar mais três pontos, além do lugar mais alto da tabela. E bastou uma boa jogada da dupla Daniel Carvalho e Lulinha para abrir o marcador, com Rodrigo Pimpão.
Esse resgate do hábito de vencer é um dos principais fatos dignos de registro em 2015 até agora. A destacar, mais uma boa atuação de Gilberto (do ponto de vista ofensivo), a seriedade do limitadíssimo Renan Fonseca, o oportunismo de Pimpão, a versatilidade de Giaretta e a certeza que Luis Ricardo, mesmo improvisado, rende mais na lateral do que o fraco Pedro Rosa. Não é muito mas, por enquanto, é o suficiente.

Para acompanhar comentários deste que vos escreve durante e logo depois dos jogos, siga o twitter @fogoeterno

Botafogo 4 x 1 CRB: Passado presente

botafogocomniltonsantos

Eu tenho tanto para te falar, Botafogo – sobre o fato de você ser o único time brasileiro que vai jogar duas partidas seguidas da mesma competição em estádios com nomes de seus maiores ídolos, sobre a linda homenagem que você fez aos 90 anos do Nilton Santos, sobre o arrepio que percorreu a espinha ao ver o bandeirão com foto da Enciclopédia subindo até alcançar a cobertura do estádio que leva o nome dele, sobre a alegria de ver o Botafogo perseguir desde os primeiros minutos o gol do adversário, com um esquema acertadamente ofensivo, de ver tantas crianças querendo entrar em campo de mãos dadas com o Jefferson, de ver o René demonstrar tanto respeito pela história alvinegra, de ver a torcida tão forte com 12 mil cantando sem parar, de ver que se as coisas continuarem a ser feitas com seriedade nós vamos voltar ao lugar de onde não deveríamos ter saído – mas com palavras eu não sei dizer.

Quando eu vejo e revejo essa foto acima, essa ideia sensacional de unir em uma mesma imagem o passado e o presente, eu só sei dizer:como é grande o meu amor por você.

Paissandu 0 x 1 Botafogo: Três importantes pontos

Três pontos a comentar sobre a estreia do Botafogo na Série B, diante do fraquíssimo Paissandu:

1) René tem que mexer no ataque. Bill não pode ser titular.  É preciso testar Sassá, ou mesmo Henrique, no lugar de um centroavante imóvel, de pouquíssimo recursos técnicos, que obriga o time a jogar pelo alto.  Na criação de jogadas, o fraco Diego Jardel foi engolido por 30 minutos de bom futebol, com lucidez e técnica, a cargo de Daniel Carvalho.

2) Fernandes e Arão apoiaram com objetividade e perigo, em especial no primeiro tempo. São duas boas opções para criação de jogadas ofensivas. Aliás, sobre o Fernandes, vale destacar: se for bem orientado e a torcida tiver paciência, pode se tornar um grande jogador – visão diferenciada e técnica acima da média ele já provou que possui.

3) Mattos, muito fraco como primeiro volante. Renan Fonseca, apesar de esforçado, tem a mesma intimidade com a bola que eu tenho com as regras do beisebol. Carleto só acertou o cruzamento do gol e Gilberto decepcionando no apoio – ambos fraquíssimos na marcação. Mas as limitações da defesa, diante de adversários fracos, preocupam menos do que a inoperância do ataque.

No mais, o que importa é ter consciência que jogamos mal. E, mesmo assim, conseguimos ganhar três pontos. Se tiver que ser assim, que seja desse jeito até o fim.

PS: O filho do Daniel Carvalho pediu para o pai voltar a jogar. Quando o filho do Bill vai pedir para o pai parar de jogar?

 

 

 

vasco 1 x 0 Botafogo: Os erros e o castigo

Na primeira partida da final do Carioca, o vasco dominou durante mais tempo o Botafogo. Teve maior posse de bola, em especial na primeira etapa, quando merecia ter aberto uma vantagem no placar. Envolvido e improdutivo, o meio-de-campo alvinegro pouco fez. A saída de Gegê para a entrada de Tomas melhorou um pouco a nossa situação, e o Botafogo enfim criou as chances mais claras de abrir o marcador: Pimpão, Arão e Bill desperdiçaram as oportunidades de balançar as redes. Erros cruciais, que se tornaram mais lamentáveis por causa do castigo sofrido nos acréscimos, quando houve um vacilo coletivo da defesa e saiu o gol vascaíno.

Tudo está perdido? Sinceramente, não sei. A vantagem foi perdida, mas mesmo assim eliminamos os grenás nas semifinais. Mas tem um item em que o Botafogo já foi derrotado: a preparação física. De novo, o nosso time foi amplamente superado pelo adversário, e chegou ao fim do primeiro tempo já com sérias dificuldades para se impor do ponto de vista físico. Mais do que a conquista ou não da taça carioca, esse fato merece toda a atenção, pois desse jeito será muito difícil enfrentar o ritmo da Série B com uma sucessão interminável de jogos na terça e na sexta, sempre com uma viagem no meio.

No mais, é lamentar que o chute de Arão – o melhor jogador alvinegro da temporada até agora – tenha explodido no travessão e dizer que o Gilberto ainda precisa amadurecer muito para dar conta de marcar e apoiar em um jogo decisivo.

E, claro, não dá para depender de Bill. Cavadinha na decisão, Bill, é coisa só para um louco. Loco Abreu.