Caro Clarence: Uma carta para Seedorf

Caro Clarence:

Permita-me chamá-lo pelo primeiro nome. Em primeiro lugar, quero explicar o motivo de ter escolhido endereçar a você essa carta aberta, não ao presidente do clube ou ao treinador do meu time. Foi por um motivo simples.

Porque você é um vencedor. No gramado e na vida. Poderia ter sido apenas mais um menino pobre do Suriname que gostava de futebol. Foi muito além: tornou-se uma referência para milhões no mundo inteiro. Mais do que um ídolo, você é um exemplo.

Para isso, porém, você teve que suar muito. Superadas as adversidades, você deslanchou nos gramados europeus.  E a gente também suou, infelizmente sem deslanchar. Suamos frio, por exemplo, quando lotamos o Maracanã para ajudar o nosso time ser campeão, pela primeira vez, da Copa do Brasil. Precisávamos apenas de um gol. Não fizemos: em 1999, entramos no estádio de peito aberto, prontos para explodir de felicidade. Saímos em silêncio. Éramos 100 mil. No estádio, não somos mais. E vai demorar para voltar a ser.

Sabe o porquê?

Em menos de 20 anos, você ganhou quatro vezes a Liga dos Campeões. Na primeira vez que levantou a taça, pelo Ajax, em 1995, nós conquistamos o Campeonato Brasileiro. Depois disso, você ganhou mais três Champions League. Nós não ganhamos mais nenhum título nacional nem internacional.

Pelo passado glorioso (e pela ausência de grandes títulos recentes), o Botafogo é o Uruguai da América do Sul. Mas o Botafogo também é a Holanda do mundo. Encantamos o nosso país em 2007, tal e qual a seleção de seu país em 1974. Até fomos apelidados de Carrossel Alvinegro por, entre outros motivos, incessante movimentação ofensiva dos meias e atacantes, sem contar a profusão de gols bonitos que fizemos. Jogávamos um “futebol vistoso e envolvente”, para usar a expressão que nove entre dez cronistas utilizaram. Assim como a Laranja Mecânica de 1974, não ganhamos nada. Nem mesmo a garantia de que, por ter chegado tão perto e impressionado tanta gente, ganharíamos um título na próxima competição. Não é assim que funciona no futebol.

Pior: ainda em 2007, depois de alguns solavancos e uma humilhação no país vizinho, não conquistamos sequer uma vaga na Libertadores. Cantávamos que ninguém seria capaz de nos calar, mas não foi bem assim. O gosto amargo daquele silêncio até hoje está na nossa boca. Houve outras frustrações recentes, enquanto você levantava taças pelo Milan e pelo Real Madrid. Não convém relacioná-las, até porque cada um sabe onde o calo mais apertou – até lágrimas viraram motivo de deboche.  A verdade é que, nos últimos anos, com raras exceções como a alma lavada em 2010 (Obrigado, Jefferson! Obrigado, Loco! Obrigado, Herrera! E, sim, obrigado, Joel!), vivemos sob a sombra da frustração.

Mas aí você nos escolheu. Quando você chegou e foi apresentado no nosso estádio (sim, ainda tínhamos estádio), foi uma injeção instantânea de esperança.

seedorfogo

E o que testemunhamos você fazer, dentro e fora de campo, foi muito além da nossa expectativa.

contraocruzeiro

seedorftaca2

Sem você, Seedorf, não estaríamos ainda nessa briga por uma vaga na Libertadores. Muitos outros times, com mais dinheiro, já ficaram pelo caminho. Tenho consciência da sua importância: basta ver o que você fez no primeiro turno, sendo decisivo com gols, assistências e gritos de incentivo e reprimendas que fizeram o time se mover em direção ao topo da tabela.

Mas precisamos de mais Seedorf nessa reta final. Aqui serei um pouco indelicado, mas vamos lá: você é um jogador caro, ao menos para o nosso clube, que não tem patrocinadores de peso nem as maiores cotas da tevê. E o investimento, nos dois últimos meses, não tem feito a diferença em jogos decisivos. Pelo que ganha e representa, por exemplo, você me decepcionou no jogo que representou uma das decisões do Brasileiro, contra o Cruzeiro, já pelo returno. Eu estava lá no Mineirão e vi que você não conseguiu se desvencilhar da marcação de um garoto, Lucas Silva. Sem contar o pênalti perdido. Você até poderia ter perdido aquele pênalti, Seedorf, se tivesse buscado a redenção no mesmo jogo ou nas partidas seguintes. Não foi o que aconteceu. A partir dali, ficou evidente que você cansou, o Cruzeiro disparou e o nosso time despencou, com Oswaldo cometendo uma série de oswaldices e sendo superado taticamente por técnicos menos experientes, diretoria batendo cabeça depois de perder talentos e atacantes com capacidade zero de balançar as redes.

Mas, ok, parabéns ao time azul, que tem um treinador sério e dedicado (que um dia por sinal poderia trabalhar em General Severiano, até por ter parte de sua história como jogador no Botafogo). Não dava mesmo para segurar os mineiros naquele momento. Mesmo decepcionado, percebi que não faltou vontade naquela “decisão” — o placar acabou sendo mais elástico do que realmente foi o jogo.

Só que agora complicou, Seedorf. O Botafogo não podia ter perdido DAQUELE JEITO a classificação para as semis da Copa do Brasil. Não para o maior rival, não de goleada, não sem lutar, não sem esboçar algum tipo de reação, não como figurantes de uma festa pintada sem as nossas cores. Mesmo quando tivemos times tecnicamente mais fracos (formado por jogadores como Túlio Souza, Somália, Adriano Felício, Fábio Fabuloso e outros abnegados), vendemos caro os insucessos. Não foi assim naquela fatídica noite. O adversário renasceu e sua torcida nos tripudiou (e você sequer imagina, Seedorf, o que se passa com uma criança botafoguense na escola depois de uma derrota como aquela). A reconstrução da auto-estima alvinegra, que avançava lenta mas constantemente e ganharia impulso formidável, sofreu duríssimo golpe; se fosse um jogo de tabuleiro, eu diria que não foi apenas “volte dez posições”. Foi “volte ao ponto de partida”. E, inevitável constatar, contaminou as nossas expectativas para a reta final do Brasileirão. Foi uma cachoeira de água gelada.

A angústia se acentuou com o crescimento dos times que brigam por uma vaga na Libertadores, ainda mais quando aumenta também a cada semana a possibilidade de o G4 virar G3. E também quando, com irritação e perplexidade, vemos que o Botafogo não demonstra nos últimos jogos a mesma capacidade de vencer, ou ao menos de vender caro a derrota. Seedorf, a sua atuação e de seus colegas no Serra Dourada foram lamentáveis: ficou evidente que, mesmo com uma semana de descanso e treinos, vocês não entraram para decidir o jogo mas para tentar um gol em uma bola vadia; se não desse, o empate estaria de bom tamanho.  Quem semeia empate colhe derrota. Foi o que ocorreu no último domingo.

Bom, mas e agora?
Agora chegou a hora de mostrar mais vontade de ganhar. Mais coragem de decidir. Mais tesão pela vitória. É momento de superação, não de contemplação — nem mesmo de muita reflexão (suas entrevistas, aliás, têm sido brilhantes, mas, nesse momento, prefiro vê-lo brilhar no campo).

Endereço essa carta a você, Seedorf, porque não confio muito na capacidade de nosso treinador (na verdade, a passividade dele durante as partidas me irrita profundamente) nem nas escolhas dele: poupou o time para a Copa do Brasil e tudo que conseguiu, além de ver o maior rival aplicar uma cicatriz na nossa testa, foi desperdiçar a chance valiosíssima de assegurar mais dois pontos contra o Vasco.  Também não reconheço no presidente a autoridade para fazer a cobrança devida, ainda mais quando ele se permite brincar sobre o que fará se os jogadores não obtiverem a classificação para a Libertadores, dizendo que vai “matar” um por um. Por isso, essa carta. Que, na verdade, é um apelo.

Quero a sua força como era antes, Seedorf.

cobranca

Assuma novamente o papel de liderança dentro de campo. A sua experiência – e o seu salário, volto a lembrar – o credenciam a desempenhar essa tarefa: distribua passes e gritos, oriente seus jovens colegas e faça cobranças, no campo e no vestiário. Mostre como que é que se faz para ganhar, na técnica ou na marra. Antecipe, na prática, o início de sua trajetória como treinador. Acrescente mais um item à sua carreira de vencedor.

Você tem uma grande responsabilidade: chame-a para si e assegure a esperança da nossa torcida para 2014. Espante nossos fantasmas! Assim, voltaremos a lotar os estádios não com os nossos receios, mas com nossos sorrisos — e você vai ver, se é que ainda não percebeu, que a nossa torcida pode ser avassaladora em entusiasmo, humor e paixão.

estamoscomvoces1

Somos ressabiados porque as circunstâncias nos fizeram assim nos últimos anos, Seedorf; mas a gente quer mesmo é ser feliz. E, posso te garantir, não existe nada mais bonito nesse mundo do que um botafoguense depois de uma conquista.

Ajuda a gente?

Abraço pra você, Seedorf.

Estamos juntos nessa caminhada.

Que seja gloriosa.

Anúncios

34 Respostas para “Caro Clarence: Uma carta para Seedorf

  1. Marcelo,
    Você superou a expectativa! Escreveu e descreveu o sentimento que temos e a vontade de extravasar o nosso amor pelo Botafogo!
    Espero e torço que essa carta chegue ao Seedorf!
    Com a vaga na Libertadores garantida, aí sim poderemos dizer que esses jogadores fizeram a diferença!

    Abs e Sds, Botafoguenses!!!

  2. Pow, seria tão bom se essa carta chegasse ao Seedorf, alguém tem o twitter, contato, sei lá do blogueiro do globoesporte, acho que ele poderia tentar fazer chegar a carta.

    Parabéns ao autor.

  3. Marcelo,

    Acompanho seu twitter com frequência (apesar de não utilizar o microblog), assim como acompanho o Caio e o Thiago Franklin (e alguns outros botafoguenses com pensamentos semelhantes). É a primeira vez que faço um “contato direto” com você, mas não podia deixar de te dar os parabéns pelo incrível texto. Você conseguiu expressar muito de nossas angústias e nossos sentimentos. Foi um texto de entrar na alma do botafoguense e dar tapa na cara de jogador sem sangue. Novamente, parabéns.

    Obrigado, mesmo.

  4. Texto primoroso! Vale a pena ser salvo e ficar guardado. Como disse o Gustavo, seria muito bom se chegasse ao Seedorf. Tomara o treinador e a diretoria também a lesse.

  5. Maravilha !! Parabéns ao autor.

    Temos que tentar fazer essa carta chegar ao Seedorf, e também aos demais jogadores.

  6. Eu, com 74 anos de idade e mais de 40 de jornalista, nunca consegui escrever um texto tão completo. Parabéns, Marcelo.
    Espero que Seedorf leia a carta e nos atenda a todos.
    Vamos acompanha-lo nesses últimos jogos e ver se o seu apelo, Marcelo, dará os frutos que todos desejamos – a classificação para a Libertadores.

  7. Traduziu todo o sentimento que nos invade do qual muitas vezes nem conseguimos expressar com tanta clareza! Parabéns, espero sinceramente que essa carta chegue ao seu destinatário, porque o acho um ser humano sensível e inteligente, que vai fazer bom proveito da mesma.

    Saudaçoes alvinegras!

  8. Começo a refletir se Seedorf tem esse cacife todo para assumir a condição de estrela máxima da companhia, pois nos times em que foi campeão foi coadjuvante. Nunca foi o jogador principal que desequilibrou jogos a favor de seu time. Era mais um jogador importante no grupo, mas não o principal. No Mineirão, tremeu com a responsabilidade. Não acertara nada até aquele pênalti, logo, não seria o pênalti que iria redimir sua pífia atuação. Era a hora de empatar o jogo e colocar pressão no Cruzeiro, que, aliás, venceu merecidamente o jogo. Seedorf falhou.
    No último lance do jogo, entregamos o empate para o Galo, Flamengo e Internacional. perdemos de Bahia e Ponte Preta em casa. Fomos esculachados nas quartas pela CB. A torcida não foi porque pareceu antever o desastre. E mais uma vez, Seedorf tremeu, assim como a Espanha tremera na Copa das Confederações. Não há como negar: Seedorf tremeu, sim, e tentou culpar a torcida. A passividade daquele time e do técnico diante do desastre me revoltou. E o Pateta do MA foi ao vestiário fazer discursinho motivacional, treinando a retórica para 2014. Não terá meu voto! É o fim da picada! Acho que para o ano que vem temos que procurar jogadores com a frieza de Ghiggia, que calou 200 mil no mesmo Maracanã em 50, para disputar a Libertadores, poque para mim as chances são 100%, pois Atlético PR e SP vão de time reserva contra a gente. Se não conseguirem, vou parar de acompanhar de vez.

  9. Um texto de extrema felicidade que traduz bem o sentimento da torcida e revela com profundidade a alma botafoguense. Parabéns!.

  10. No texto você demonstrou os sentimentos de cada um botafoguense, fiquei muito emocionado e por isso me cadastrei, vou segui-lo sempre, parabens pelo texto.

  11. Marcelo, não acho difícil a sua mensagem chegar ao Seeforf. Estamos tão acostumados à redes sociais, e-mails, blogs e outras formas de comunicação digital, que esquecemos da velha, tradicional e eficiente carta. No papel, envelopada e endereçada a quem de direito. Saudações alvinegras, Sérgio Murilo. @sergiomssampaio .

  12. Botafogo , ganhando ou não és eterna paixão !

  13. Parabéns Marcelo,
    Expressou tudo que eu sinto em meu coração.

    Saudações alvinegras

  14. Parabéns Marcelo, tomara que este texto chegue até o Seedorf… e então, veremos um outro Botafogo em campo… abrçs

  15. Tenho que ser repetitivo e dar parabéns a você que escreveu essa belíssima carta. Isso tem que chegar para o Seedorf! rs

  16. P E R F E I T O !! Tem que chegar às mãos do cara messsssmmmmmooooo !!!

  17. Caro amigo,
    Esse seu texto me traz a lembranças de que nosso Botafogo jamais deixará de ser o que nós desejamos. Vc foi muito feliz em suas colocações.
    Espero que chegue não ao Seerdorf,mas a todos do plantel.Que isso sirva de “alimento” substancial para que todos digiram .e faça o que nós Botafoguenses esperamos. A classificação para a LIBERTADORES.
    Parabéns .
    Saudações Alvi-Negras.

  18. Amigo, você foi simplesmente incrível. Tudo que eu sinto aqui no peito você consegui transcrever nessa carta. Parabéns.

  19. Perfeito, tudo o que um Botafoguense gostaria de falar, hoje contra o Inter temos que ganhar, começar uma nova etapa…

  20. Texto maravilhoso !!! Parabéns

  21. Parece que o Seedorf realmente já está apalavrado com o Milan. Tomara que a carta chegue logo, mas não acho que o holandês seja dado a sentimentalismos, ainda mais quando fatores como a estrutura (física e psicológica) de um clube e de outro e, principalmente, o dinheiro envolvido entram na jogada.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s