Criciúma 1 x 2 Botafogo: Algo extraordinário

Ordinário, em português, é uma palavra que acabou ganhando uma conotação depreciativa.  Algo como “reles”, “rasteiro”, “de má qualidade”.

Mas a palavra pode significar apenas algo que não consegue sair do padrão, rotineiro, previsível.

Exatamente o que o Botafogo não tem sido em 2013: um time ordinário.

Poderíamos ter perdido o jogo desse domingo em Criciúma: adversário fortalecido por três vitórias consecutivas , nosso time desfalcado de seis titulares absolutos. Não seria um resultado anormal. O empate, pra muitos (como eu), já poderia ser considerado um bom resultado, diante dos seguidos infortúnios das circunstâncias. E, pelo que não mostrou no primeiro tempo, o Botafogo esteve muito próximo de confirmar a expectativa inicial.

Mas as coisas mudaram na segunda etapa. E, comandados por Rafael Marques (passes perfeitos, visão de jogo, liderança e tranquilidade), o time mudou de cara.

O empate veio sem muita dificuldade, com a imposição do nosso ritmo de jogo. E com um  gol de mais um jovem talento alvinegro – se, na quinta, Hyuri brilhou, dessa vez ele sumiu. E coube ao talentoso Octávio o papel de revelação, aquele que seria batizado dentro de campo com o balançar das redes.

Algo ainda mais extraordinário, porém, estava para acontecer. Quando o jogo caminhava para o 1×1, brilhou a estrela de Elias. Sim, de Elias, justo o cara que tinha sido um dos poucos destaques negativos da partida, por causa de lances bisonhos do ponto de vista técnico. Sim, Elias, o improdutivo. Sim, Elias, justo o limitado e às vezes irritante Elias, nos garantiu a vitória.

E, ora vejam só, nos acréscimos, logo eles, nossos algozes em três partidas.

E, ora vejam só de novo, Elias não só balançou as redes, como Octávio, mas o fez em um lance de grande dificuldade de execução, que poderia ter resultado em uma furada histórica ou uma finalização descalibrada. Nada disso: foi uma obra de arte.

Elias fez um golaço nos acréscimos. Isso, sim, é extraordinário.

E o que poderia ser apenas mais uma vitória em Santa Catarina ganhou uma inesperada tonalidade arrebatadora. Uma injeção cavalar de confiança foi aplicada na torcida. Mais uma vez.

Porque o Botafogo, desde o Campeonato Carioca, tem feito coisas extraordinárias em 2013.

Mesmo quando suas estrelas não entram em campo ou são vendidas, outros entram em campo e nos iluminam.

Porque, talvez mais importante do que “ter um elenco” de jogadores caros e acomodados por causa da grife, seja possuir um grupo de jogadores, experientes ou recém-profissionalizados, dispostos a tudo para corresponder ao serem acionados pelo Oswaldo (e, sim, os méritos da vitória desse domingo são todos dele). Um time de vencedores.

Nesse domingo, quem ganhou não foi o Seedorf, o Jefferson, o Lodeiro, o Hyuri.

Quem ganhou foi o Rafael Marques (e que história extraordinária ele está escrevendo em 2013!), o Milton Raphael (muito seguro, em especial no 20 tempo), o Edilson, o Octávio, o Marcelo Mattos (atuação monstruosa), o Lima, o Gegê, o nutricionista, o fisiologista, o torcedor que foi até Criciúma e saiu de lá premiado com o que viu e gritando o mantra: “1.2.3. nós estamos com vocês!”.

Quem ganhou foi o Botafogo.

Anúncios

11 Respostas para “Criciúma 1 x 2 Botafogo: Algo extraordinário

  1. Oswaldo e Rafael Marques. os mais contestados ano passado, e os mais importantes esse ano! Parabens pelo texto, continue assim

  2. Pois é, justo na hora em que estava me perguntando porque Oswaldo de Oliveira não substituiu Elias, ele vai lá e faz aquele golaço. De forma semelhante a um buraco negro, a bola chegava nele e não voltava mais, muitas vezes por faltas no ataque e outras por simplesmente não conseguir dominá-la. Como é que pode um sujeito que não estava conseguindo acertar um passe de 2 metros faz um gol desses? Alguém, por favor, me explique.

  3. Extraordinariamente bem escrito! E que seja tambem extraordinario a presenca da nossa torcida, no Maracana, na quarta, contra os gambas.
    Eu acredito mais ainda nesse Botafogo!

  4. A história do Rafael Marques tem sido — e você tem absoluta razão — extraordinária. É impressionante ver como o aspecto emocional pesa tanto no rendimento de um profissional. De um ano passado ridículo, ele conseguiu uma superação incrível. E eu nunca cornetei! 🙂

  5. Cara. Acho que assisti outro jogo, eu vi muitas vezes o Elias tentar dominar bolas quadradas que tocavam pra ele. Sempre muito raçudo. Gosto do futebol do Elias. É um cara que não desiste nunca, está sempre ligado no jogo, centroavante clássico. Não foi só pelo gol. Eu passei o jogo inteiro dizendo pra mim mesmo, o Elias merece um gol, tá brigando, correndo, tava muito isolado na frente e mesmo assim não desistia. O cara mereceu.

  6. Me lembro que ano passado quando terminou o campeonato ficou aquele impasse de saber de Oswaldo iria ou não renovar, e eu conversava com meu pai (Botafoguense, óbvio) que se a diretoria mantivesse o nosso treinador teríamos um ano promissor, e olha o resultado, campanha impecável no título do carioca, eliminamos o Galo, atual campeão da América e estamos aí, brilhando como a nossa estrela no Brasileirão, eu não tenho dúvida que disputaremos ponto a ponto esse título Brasileiro, porque há muito tempo não vejo o Botafogo com essa consciência e disciplina tática, o Botafogo hoje é um time que sabe superar suas dificuldades e limites. Ah, não posso esquecer do EXCELENTE trabalho da Diretoria, em nome do Presidente Maurício Assumpção, e o trabalho feito nas categorias de base também há de ser enaltecido. Viva o Botafogo!!

  7. Marcelo,

    Ver esse time jogar é muito bom e tira o ranço que tinha dos entregadores, amarelões e das promessas vazias!
    Estão mais que unidos! Essa garotada (identificada com as nossas cores e tradições) com a experiência e espírito vencedor do Seedorf e do Bolívar fazem muita diferença. E que diferença!

    Reconheço que o monge japonês, também, tem uma parcela muito grande e de comando. Sempre que pode valoriza o grupo e a comissão técnica.
    Tenho certeza que ontem ele mandou um recado para a “frapress” quando falou do nutricionista e fisiologista.
    Lembra da “frapress” fomentando briga entre os departamentos e o Seedorf?

    Como disse o Rui Moura; levantando os canecos no final do ano, esse grupo precisa e deve ser canonizado no solo sagrado de General Severiano!
    A nossa história mostra que adoramos ganhar nas adversidades! E haja adversidades nesse ano.

    Tenho certeza que estamos presenciando esse grupo fazer história e no futuro lermos e sermos testemunhas de mais um capítulo na nossa saga Botafoguense!

    Abs e Sds, Botafoguenses!!!

  8. Parabéns pelo texto, Marcelo

    De uns tempos pra cá, temos algo em comum a fazer antes e depois dos jogos do Bota durante os quais torcemos: aplaudir de pé! Antes por louvação à camisa e depois por devoção ao elenco. Torcer para o Bota é um ato de fé.

    abs

  9. Em um time que jogou praticamente só com garotos precisava ter um cascudo na frente como o Elias, que encara zagueiro, leva e dá porrada, catimbeiro. É jogador de área e mostrou isso. Não adianta esperar dele um grande jogada armada de fora da área. Ele é finalizador e mostrou ontem com o golaço com sabor especial nos acréscimos. Alex, de quem também gosto, vai ter que aproveitar bem as oportunidades para brigar pela vaga.

    Abraço,

    Carlos L.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s