Botafogo 3 x 1 Coritiba: Luz e mistério

Tem uma música do Gilberto Gil, “Esotérico”, que começa assim: “Não adianta nem me abandonar/Porque mistério sempre há de pintar por aí…”

Lembrei desses versos depois de rever, já depois do jogo, o golaço do Hyuri no Maracanã.

Porque a mágoa com a saída do Vitinho foi profunda. Conheço alvinegros de quatro costados, experientes, que sentiram tanto o baque que cogitaram não assistir mais aos jogos do time esse ano, tamanha decepção. É exagero? Pode até não ser. Apesar de Dória ser uma revelação mais consistente, a verdade é que o Vitinho representava o sonho de ver com a nossa camisa um craque ousadamente ofensivo, capaz de encantar o país com seus dribles e gols, nosso Neymar particular.

Vitinho foi embora. E fez muita falta no domingo passado. Ainda fará, em outras partidas.´Mas ninguém é insubstituível.

E esse Botafogo de 2013 é um time com muita fibra, muita personalidade. E, acima de tudo, muita estrela.

hyuricombandeira

Aí entra em cena o personagem da noite, até então uma incógnita, um jovem desconhecido.

hyuricrianca

Hyuri, que logo após ser contratado postou em uma rede social uma foto que mostrou que ele já vestia a camisa alvinegra desde criancinha, entrou em campo carregando a bandeira do nosso time do coração.

hyuri2

Não, ele não teve a atuação mais regular durante os 90 minutos – acho que Rafael Marques, Dória e Marcelo Mattos participaram mais ativamente da partida, por exemplo.

Mas Hyuri fez  o que ninguém, nem o botafoguense mais otimista (existe?), esperava. Dois gols: o primeiro, de cabeça, aproveitando a ótima jogada de R.Marques.

E o segundo gol…

Bem, o segundo gol foi mais do que uma pintura. Foi um gol no qual, reparem bem, o mais fácil e mais previsível foi o chute na conclusão. O que aconteceu segundos antes, com uma sequência de dribles estonteantes, foi de arrepiar. Ainda mais quando a gente lembra que poucos jogadores do nosso elenco seriam capazes de ousar tentar um lance como aquele.  Ainda mais por ter sido no Maracanã, bem diante da nossa torcida, e com a bênção de um craque do quilate de Seedorf.

hyuriseedorf

E, ainda mais, quando a gente lembra também que o Hyuri tinha nas costas de sua camisa alvinegra o número 7. Sim, meus amigos,nosso camisa 17 garrincheou naquele lance. E isso valeu a noite.  

Se ele vai fazer isso de novo, não sei. Torço para que sim, o jovem recém-chegado do Audax realmente parece ter muita qualidade técnica e facilidade para partir em direção ao goleiro adversário. Mas foi importante fazer um gol assim, tão inesperadamente glorioso, para nos ajudar a superar a saída do Vitinho e mostrar que, mesmo combalido e desfalcado, continuamos a honrar a camisa e escrever uma bela história. A luz da estrela continua a nos iluminar.

botafogocoritiba

“Deus está olhando a gente também”, disse Seedorf ao fim do jogo. Que Garrincha também continue a abençoar os nossos talentos. Mistérios (Por que o H antes do nome Yuri?)  sempre hão de pintar por aqui.

PS:  Botafogo acabou o jogo com Milton Raphael, Lucas Zen e Edilson em campo. E não tomou gol nos minutos finais. É ou não  uma evolução?

PS II: Lamentável a imprudência do Renan. E temeroso o fato de ter Milton Raphael como titular no próximo domingo.

PS III:  Parabéns para o Oswaldo, que apostou no Hyuri e acertou em cheio.

PS IV:  Estamos vivos. Vamos em frente.

Fotos: Facebook oficial do Botafogo

Anúncios

4 Respostas para “Botafogo 3 x 1 Coritiba: Luz e mistério

  1. Marcelo, o Vitinho, o Hyuri e o Paulinho (ex-Corinthians) são produtos do Audax RJ/SP. Resultado de Planejamento, grana, dinâmica e competência. Hoje, a turma do Pão de Açúcar está negociando o Audax por estar na 1ª divisão RJ/SP. Parece que não querem se envolver com torcida.
    Apesar de nossa situação financeira dramática, o BFR conquistou respeito e perspectivas de parcerias de sucessos.
    O Bruno Mendes ainda não conseguiu concretizar sua missão no BFR, mas o Bruno foi extremamente cobiçado após o Estadual SP 2012.
    O Hyuri chega com o carimbo do Abilio Diniz e tem tudo p/ manter um bom desempenho neste brasileirão 2013. O OdeO, que não é bobo, nem nada, sabia que era prematuro o lançamento, mas não duvidava do potencial do Hyuri.
    O 1º gol do Hyuri foi de uma plástica incrível. Estava muito bem posicionado. Administrou muito bem o peso de sua estréia e sua possibilidade clara de gol. Teve a frieza do Cláudioo Adão, eleminando qualquer chance de defesa do goleiro oponente.
    O 2º gol do Hyuri foi fantástico. Atitude em buscar o caminho do Gol. Ele tratou a bola de tal forma que os opositores não tivessem a chance de sequer tocar na bola. Foi um gol a La RG10, em sua grande fase.
    Nota: Botafoguense, para definir sua ida ao estádio ver o BFR jogar, defina-se já. Não fique aguardando resultado do meio da semana. Tem muita gente séria trabalhando pelo nosso Glorioso! Não deem bolas p/ os Marcios Guedes da Vida.

  2. Não há muito o que acrescentar sobre a excelente estreia de Hyuri.Vou destacar a excelente partida da defesa do Botafogo, principalmente de Marcelo Mattos (foi um gigante na partida) e do lateral Edílson que teve seu melhor jogo desde que assumiu a titularidade. Além disso, o goleiro Milton me passou mais segurança que Renan.

    Fico muito feliz com a capacidade de recuperação do Fogão, que mesmo perdendo peças fundamentais como Fellype Gabriel, Andrezinho e Vitinho, continua demonstrando força e bom futebol.

  3. Foi o gol mais bonito que eu já vi alguém fazer com a camisa do Botafogo, seja ao vivo, em VT ou em película, seja colorido ou em preto e branco, seja em pelada ou em decisão.

    A perfeição técnica desse gol merece estar enterrada numa cápsula para as gerações do futuro compreenderem porque o futebol movia e comovia bilhões no nosso tempo, e a que altura chegava a técnica dos jogadores.

  4. Qualquer pessoa que já tenha tentado jogar futebol na vida conhece a dificuldade de se realizar uma jogada como a de ontem, sobretudo aquele último drible.

    Fazer um drible daquele, no pátio de casa, com bola parada, é difícil. Fazê-lo com a bola em movimento é mais difícil. Concluí-lo no meio de um jogo a valer pontos é dificílimo. Realizá-lo diante de zagueiros a soldo, isto é, pagos para impedí-lo, é quase impossível.

    A jogada teve uma primeira parte de primorosa técnica de campo e uma segunda de exemplar técnica de salão. Uma coisa pra se notar é que nenhum defensor chega a tocar na bola: a única participação dos “coritibanos” na jogada é seu empenho em contê-la. Hyuri é, durante todo o tempo, senhor da bola.

    Alguns comentaristas quiseram dizer que, num determinado momento, o Hyuri perde o controle da pelota, para retomá-lo em seguida. Não. O que aconteceu foi que nosso atacante, tendo traçado um caminho eficiente para o gol, encontrou no meio dele um muro de zagueiros que lhe pareceu intransponível e, assim, num átimo, recalculou a estratégia, mudou o caminho, e executou a nova intenção com tirocínio e aptidão motora extraordinários.

    Talvez o Hyuri não seja o gigante que esse lance permite entrever. Talvez sua carreira pouco sobreerga-se da mediocridade. Mas a noite de ontem já marcou permanentemente o seu nome. Há poetas obscuros cuja perenidade se deve à imortalidade de um único soneto.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s