A hora de reagir

“Você tem que ter personalidade! Você é quem manda! Agora você tem que expulsar!”. Sem qualquer vestígio de vergonha na cara, o lateral do Madureira revelou ao Globo Esporte essa semana que pressionou o juiz da partida do último domingo  a expulsar Seedorf. Inexperiente e inseguro, o árbitro seguiu a orientação do jogador do Madureira, que comemorou o resultado de sua estratégia com aplausos veementes.

Tive vontade de vomitar ao ver as imagens do pobre lateral, todo sorridente por ter conseguido o seu objetivo: tirar um craque de campo. Poucas vezes foi tão representativa a vitória da mediocridade diante da excelência. Pobre dele, pobre de nós, pobre Brasil.

O fato serviu ao menos para consolidar uma certeza: dentro de campo, Seedorf está na mira dos invejosos. Fora dele, dos ressentidos. Querem rebaixar nosso craque, dizer que ele  tem que receber o mesmo tratamento dos outros jogadores. NÃO É BEM ASSIM. Claro que, na parte objetiva, uma agressão, por exemplo, o tratamento deve ser o mesmo. Mas,  quando se trata de analisar o comportamento do atleta, como fez o juiz da partida ao deduzir que Clarence estava querendo fazer cera, o passado de um jogador pode – e deve – ser considerado.

seedorfexpulso2

Na entrevista dessa sexta-feira, apesar da má vontade de alguns para compreender o que ele disse, o holandês teve a chance de explicar que, pela sua vida pregressa (que inclui, como lembrou, o posto de embaixador de fairplay da UEFA), o juiz teria motivos suficientes para saber que ele não iria fazer cera ao ser substituído. Em frase exemplar, ele lembrou o que todos já puderam observar, há uma maneira muito mais inteligente de fazer o cronômetro avançar: “Se quero perder tempo, vou fazer com a bola no pé, como fiz contra o Vasco”.

Mas o que me incomodou nessa entrevista foi o tom do Seedorf. Mesmo aparentemente relaxado, ele pareceu em alguns momentos bem contrariado, por se ver injustiçado e levado ao centro do ringue para uma discussão interminável. Isso porque ele ainda não vislumbrou o circo que será montado para seu julgamento, com advogados e promotores tirando “casquinha” para aparecer na mídia assim que os holofotes acenderem.  Essa contrariedade certamente não ajudará o holandês em seus próximos compromissos no Brasil: atiçará os  medíocres a tentarem provocá-lo, bem como fará os juízes daqui pra frente tentarem impor “autoridade” a todo custo.

Aí, para piorar tudo, surge a interdição do Engenhão.

engenhaofechado

O fechamento do nosso estádio foi a pior notícia que poderíamos receber desde, sei lá, a suspensão do Dodô em 2007. Financeiramente, o prejuízo é maior do que o de um rebaixamento – pois o ressarcimento, se vier, vai demorar longos anos, enquanto a perda de receita é imediata, com ausência das placas de publicidade, dos camarotes, etc. Sem contar as outras possibilidades de grana – naming rights – que estavam para chegar, segundo a diretoria. Não sei exatamente quanto será o prejuízo, acho que nem os cartolas conseguiram quantificar, mas é certo que as portas fechadas nos custarão alguns milhões, que farão falta, por exemplo, na hora de contratar reforços de peso para o ataque. Ou mesmo de manter os salários em dia.

Cabe à diretoria encontrar uma nova “casa” – e com urgência. Não para o Campeonato Carioca, mas para a Copa do Brasil e para o Brasileirão.

A verdade, meus amigos, é que dois dos maiores trunfos alvinegros dos últimos anos, Seedorf e Engenhão, entraram na linha de tiro ao mesmo tempo: isso não é coincidência. O Botafogo passou a incomodar. O êxito na Taça Guanabara, com a imagem de Seedorf sorridente no nosso estádio, correu o mundo. E os elogios quase unânimes ao holandês despertaram um misto de inveja e ressentimento em muitos rivais, profundamente incomodados com a onda de mídia positiva (e era apenas a Taça GB, imagine se fosse a Copa do Brasil ou um Brasileirão).

Não importa se é o destino ou se é uma ação orquestrada: dentro e fora de campo, querem brecar a ascensão do Botafogo. E isso já nos custou caríssimo em 2007, o ano em que ficamos tão próximos da glória e só conseguimos colher frustrações.

Está na hora de a torcida reagir. Mostrar apoio nesse momento não significa endossar o que a diretoria faz ou deixa de fazer, mas mostrar que o Botafogo é gigante, não pode ser apequenado nem menosprezado.

Iniciativas simples, como vestir a camisa mais linda do mundo, já ajudam a demonstrar que nós compramos essa “briga”, que vamos fazer barulho na defesa do Seedorf, do Engenhão e de todas as glórias alvinegras do passado e do presente. Percebi um aumento de camisas alvinegras nas ruas nos últimos dias – acho que, inconscientemente, já estamos sentindo a necessidade de mostrar que o Botafogo não vai se intimidar, que estamos vigilantes, dispostos a defender as nossas cores.

Não podemos ser usurpados.

Com ou sem estádio, com ou sem Oswaldo, com ou sem Rafael Marques, com ou sem diretoria atuante, não importa: o que deve importar nesse momento delicado é que nós temos Seedorf, Jefferson, Lodeiro, Dória, Gabriel, Bolívar, Mattos e outros jogadores dispostos a fazer uma grande temporada. E, claro, temos a nossa história, os nossos ídolos, a nossa glória para nos acompanhar. Não é pouco.

Tu és o Glorioso, Botafogo; não podes perder, perder pra ninguém, perder por W.O, sem exercer o direito de batalhar, não sem ter o apoio dos que te amam, e te amarão no Engenhão, Cidadania, Caio Martins, Moça Bonita, Edson Passos, General Severiano, Bezerrão, onde for.

Se marcarem jogo na PQP, é lá que estaremos para te acompanhar.

Vamos pra cima deles!

Anúncios

8 Respostas para “A hora de reagir

  1. Prezado Marcelo, bom dia!

    Acompanho esse espaço há tempos e considero tuas opiniões muito sensatas e equilibradas. Hoje, não resisti e vim dar meu apoio por escrito às tuas palavras.
    Dia, 17, no Bezerrão, estaremos gritando por essa estrela que escolheu nosso peito pra brilhar!
    Um forte abraço!

  2. Faixa p/ expor na arquibancada: PELO FIM DA PALHAÇADA NA ARBITRAGEM RJ, CARTÃO VERMELHO P/ O RABELLO.

  3. ENGENHÃO

    A quem me possa responder.

    O que está comprometido, no Engenhão, é algo pontual, específico a ferragem de sustentação da estrutura?
    É possível subtrair a cobertura, sem abalar à estrutura das arquibancadas?
    É possível realizações de eventos sem a cobertura?
    É possível o retorno da cobertura, no intervalo já previsto para adequação aos Jogos Olímpicos?

  4. Belíssimo texto, vc sintetizou tudo o que penso e sinto a respeito desses últimos acontecimentos com o nosso Glorioso. No feriadão da Semana Santa, fui a Balneário Camboriú-SC e, é claro, vesti a gloriosa, a camisa mais linda do mundo. E não estava sozinho! Nossos irmãos de camisa também estavam lá, trajando a gloriosa.
    Jamais conseguirão nos derrubar! Pra cima deles, Glorioso!

  5. Texto que emociona, mesmo a um dos mais velhos torcedores que já teve a felicidade de ver a camisa do Glorioso com a estrela solitária no peito de Nilton Santos, Garrincha, Didi, Jairzinho e tantos outros que engrandeceram o Botafogo e a Seleção brasileira e que agora via (mesmo em pedaços) a TV mostrar as aulas de futebol do grande Seedorf.
    Há coisas que só acontecem com o Botafogo – como essa emoção que só sente quem torce pelo Glorioso de General Severiano!

  6. Gostaria de fazer uma parceria com o seu site, tenho um site do Botafogo na internet, e gostaria de fazer uma troca de banners.

    Meu site é: http://www.oglorioso.net dê uma olhada por favor.
    Qualquer coisa é só entrar em contato através do e-mail.

    Atenciosamente,
    Victor Duarte

  7. Só lembrando que o Seedorf poderia, se quisesse mesmo colaborar, sair pelo lado do campo que estava mais próximo. E quanto ao Engenhão, devemos também nos por no lugar do Prefeito. Ele tem um laudo nas mãos; se a casa literalmente caísse na cabeça de milhares de quem seria a culpa ? Quanto ao apoio da torcida, endosso, enfatizando que ele (apoio) quase sempre falta nos momentos decisivos (que nem sempre são apenas as decisões).

    Sílvio Porto Alegre

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s