Uma voz, muitas vidas

A morte de Luiz Mendes é um duro golpe para todos nós botafoguenses que, inconscientemente, acreditamos na imortalidade. Que achamos que sempre vimos o Botafogo jogar e que veremos o Botafogo em campo até depois do fim dos tempos. Até mesmo depois que a gente não estiver mais por aqui.

Sua voz, límpida e segura, acompanhou minha infância, adolescência, a vida adulta, agora a chegada da meia-idade. A cada semana, ouvir Mendes era esquecer a dureza concreta do cotidiano (da escola, do vestibular, da faculdade, do trabalho) e mergulhar num universo de lembranças e de esperanças – porque, aprendi isso desde cedo com o Pereirão, o rádio tem essa capacidade única: nos leva para outros lugares, outros tempos, outras vidas – inclusive as que a gente não viveu.

Por meio das lembranças de Luiz Mendes, eu vi o que eu não pude ver: vi Nilton Santos avançar, vi Garrincha driblar, vi Paulo Cesar Caju provocar, vi  Jairzinho comemorar, vi, enfim,  o mais glorioso Botafogo brilhar.

Não só isso, claro. Com menos emoção mas igual admiração, me encantei ao vê-lo relembrar os grandes jogos das mais inesquecíveis Copas do Mundo,  um Brasil que realmente tinha amor à camisa, um Brasil que dava orgulho, um Brasil pelo qual valia a pena torcer.

E, mais, é na serenidade de sábios como Luiz Mendes que me espelho para tentar entender o motivo de tanta paixão, tanto sofrimento, tanta ansiedade, tanta emoção pelo destino de um time. Um destino em que nada posso interferir, em que sou refém de pés, mãos, corações, cérebros e apitos alheios.

Ainda não consegui. Mas, por conta do exemplo do Luiz Mendes e de outros grandes alvinegros que carrego nas lembranças, no sangue e no coração, eu continuarei tentando. Um dia chegarei lá.

Enquanto isso, só tenho mais uma coisa a dizer:

Obrigado, muito obrigado, Luiz Mendes, por me ajudar a conhecer e a escrever a minha história.

Anúncios

2 Respostas para “Uma voz, muitas vidas

  1. porra, marcelo! que texto sensacional!
    lágrimas nos olhos aqui, cara…

    vá em paz, luiz mendes!

  2. Luiz Mendes foi fazer companhia a Fernando Sabino, Paulo Mendes Campos, Armando Nogueira, João Saldanha – dentre outros botafoguenses ilustres que estão no andar de cima. Continuam torcendo pelo time do coração e, praza aos céus, consigam ajudar os que – como eu – permanecem firmes na alegria e na tristeza, condição que fazem o Botafogo único, inimitável e por isso mesmo, apaixonante.
    Em verdade, para nós, o que existe mesmo é o Botafogo. O resto é apenas o futebol!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s