Botafogo 4 x 0 Americano: Um time irreconhecível

Goleada fácil, 2 gols do Herrera, ímpeto de atacar e tentativa de atuar como sempre deve fazer um time grande dentro de casa. E, como observou via Twitter o Fogospel, um fim de jogo sem taquicardia, sem sofrimento, sem ameaça real ao gol alvinegro.

Resumo: O Botafogo treinado por Joel Santana esteve irreconhecível nessa tarde-noite de sábado no Engenhão.

A Ana Telhado, também via Twitter, cantou a pedra, em tom de brincadeira: foi só o Loco Abreu comandar um treinamento (na sexta-feira, por conta de um problema familiar do Natalino) que o time demonstrou um mínimo de organização e de padrão ofensivo.

Do que pude ver da partida, destaque para a atuação do Lucas (cada vez mais eficiente no apoio, vide o belíssimo passe para o segundo gol do Herrera), a melhora do Márcio Azevedo, o gol importante do João Filipe e um Everton cada vez mais à vontade.

Alvíssaras, enfim o time melhorou. Encolheu no início do segundo tempo, mais por displicência do que por qualquer outra coisa.

Ok, o adversário era muito frágil e o pênalti logo no início facilitou as coisas. Sim, mas outras vezes também estávamos diante de times fracos e ainda assim complicamos partidas que deveriam ser resolvidas da forma desse sábado: com simplicidade e eficiência.

E atacar sempre.

Enfim, foi um bom treino para o clássico de domingo.

Só que o Joel não precisa ficar pegando no pé do Caio assim que o atacante põe o pé no gramado. Isso não é orientação tática nem técnica: o nome disso é bullying.

Anúncios

7 Respostas para “Botafogo 4 x 0 Americano: Um time irreconhecível

  1. Papai Joel,
    Ta vendo que nao eh tao dificil assim. O time marca pressao, o adversario fica sem opcao de se organizar, os gols aparecem (tb acho que nao houve o penalty), todos se abracam, atorcida canta e quem esta na poltrona nao precisa tomar maracujina e nem suar frio. Pronto!
    Como o time nao esta tao acostumado com este padrao, em varios momentos esquece de exercer esta marcacao e cai no erro de recuar e esperar o adversario. Esperar o que? Esperar tomar gol?
    Atencao! Nao sei se vcs perceberam que em varios momentos a saida de bola era feita com os zagueiros carregando a bola pela intermediaria sem a menor intimidade de armar jogadas e ainda correndo o risco de perderem a bola sendo o ultimo ou penultimo homem. Se pegar um atacante esperto e rapido,
    Tchau!
    Da pra sair com um meia ou com os laterais? Isso eh basico.
    E.Sales

  2. Bem, foi por aí mesmo e todos nós, corneteiros da internet, estávamos pedindo esse time aí. Não pela escalação e sim pela vontade!

    E empurrão dentro da area é pênalti. O Léo Moura sofre um penal por jogo e ninguém fala nada.

    http://generalseveriano.wordpress.com/2011/03/12/vontade-determinacao-e-atitude/

  3. Marcelo, a Ana Telhado matou a pau! O motivo para mudança de postura foi o Loco ter treinado o time!kkkkk
    Em campo, como sempre, ele continuo “cantando” as jogadas e incentivando os jogadores.
    Peço permissão para repetir parte da tua postagem no blog do Rodrigo Federman.

    Abs e Sds, Botafoguenses!!!

  4. (Eu até achei que não foi penalti, mas me recusei a falar isso em voz alta. Como o Christian escreveu, Léo Moura sofre um por jogo e ninguém fala isso.)

    Sobre o jogo, sei que o adversário era o fraquíssimo Americano, mas tomamos sufoco de times tão ruins quanto. Não chega a ser motivo para os tantos elogios que o Joel deu – o que eu acho até perigoso, achar que já está tudo muito bom às vésperas de um clássico, porém isso é assunto para outro comentário – mas mostra pelo menos vontade do time de melhorar. Lucas, Everton e João Filipe foram muito bem hoje; Loco e Herrera parecem que estão voltando a se acertar; já é o segundo jogo seguido em que não tomamos gol e, dessa vez Jefferson nem trabalhou tanto – uma folga merecida pro negão. E, se formos analisar friamente, ninguém está ganhando fácil, nem aquele pessoal que se vangloria de não ter freio*. O que não pode acontecer é o Botafogo ter um jogo como o que teve contra o Nova Iguaçu.

    Treinamento Joel, treinamento… (Chama o Abreu! rs)

    *Tive o trabalho de procurar: o pessoal da camisa de macumba não fez mais de 3 gols num só jogo e, quando fez, levou. O máximo de diferença foi de 2 gols. Dos 3 grandes + fluminense, foi o único que não goleou.
    Mas pra quê, né? Jogando com 12.

  5. TÔ TENTANDO ENTENDER!
    No 2º tempo contra o River, no Engenhão, quando o BFR estava num momento decisivo de uma partida eliminatória, totalmente indefinida, o Joel saca o único de criação (Cajá) e lança o Fabrício.
    Agora, contra o Americano, num jogo apenas classificatório e já definido, com o Cajá lá na China, o Joel lança o conhecidíssimo Caio e não lança o Fabrício, que tem tudo a provar.
    O que o gerente de futebol teria a dizer ??
    Saudações Gloriosas.
    Cléto Martins

  6. Pelos relatos do Murici, as Laranjeiras seria o palco perfeito p/ o Joel Bacana. Muito $$$$$, pouco planejamento, pouco trabalho e muita enrolação.
    Saudações Gloriosas!

    Cléto Martins

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s