Joel Mubarak: O seu tempo chegou

Permitam-me não comentar lances e atuações individuais no empate dessa quarta-feira.

Quero aproveitar mais um rendimento ridículo do meu time contra adversários mais fracos para fazer uma comparação.

No Egito, depois de décadas de supremacia, o ditador Hosni Mubarak está fazendo de tudo para permanecer no poder. Pode até continuar mais um tempo, mas, como se percebe a cada dia, não é o que deseja a população – porque o tempo histórico passou e só ele não viu. Mubarak troca ministros, fala que não vai mais se candidatar – e de nada adianta. O povo e a história querem que ele saia. Mas saia AGORA.

Pois é, meus caros, o mesmo acontece com o Natalino. Obviamente não estou o comparando com um ditador do ponto de vista do domínio absoluto do poder; sei que ele é contratado por uma diretoria, comandada por um presidente, etc etc.

Mas, do ponto de vista da HISTÓRIA NO BOTAFOGO, Joel já faz parte do passado.

Sou imensamente agradecido pelo título estadual; duvido que outro treinador conseguisse o que ele fez em 2010 – mobilizar, na base da motivação e da malandragem, um grupo sem confiança para conquistar um campeonato que bateu na trave por três vezes consecutivas.

Mas o combustível acabou, Joel.

Para citar uma banda que gosto muito, as suas piadas não têm mais graça – your jokes aren´t funny anymore. Porque não são acompanhadas por uma evolução técnica nem tática. Muito pelo contrário.

O time, contra o Bangu, conseguiu se mostrar AINDA MAIS DESORDENADO do que nas partidas anteriores – uma proeza. E, não fosse a estrela de Jefferson, teria saído derrotado – como já aconteceu VÁRIAS e VÁRIAS vezes no Brasileirão e nesse Estadual.

Joel não é bobo. Já percebeu que o apelo motivacional não funciona mais. E, pior pra ele, o seu tão elogiado “sistema defensivo” está seriamente comprometido pela ausência do Fábio Ferreira.

Agora tenta fazer concessões que ele sabe capazes de agradar à torcida – a barração do Alessandro no início da temporada, agora a faixa de capitão para o Loco.

Mas isso não é mais suficiente, Natalino.

Antes mesmo do primeiro clássico e da primeira competição eliminatória (Copa do Brasil), é visível que a água está subindo – e a insatisfação de seus pupilos é cada vez mais ostensiva. Sem Lucio Flavio para fazer a blindagem jogadores/comissão técnica, me parece que o Joel perdeu um aliado importantíssimo no grupo – um cara cordato, correto e querido por boa parte dos jogadores e pela diretoria. Desconfio que o Guerreiro, um cara de boa índole, também fazia esse papel, de represar as queixas do grupo para não causar tumultos.

Agora, não. Publicamente a revolta se alastra, em uma situação poucas vezes num clube do porte do Botafogo. O Loco já falou de forma muito clara sobre os problemas táticos, o Caio se queixou via Twitter, o Renan se queixou de não ser aproveitado, até o Diguinho (!), reserva do reserva, deixou claro que não tem chances porque o treinador só joga na retranca. Por motivos diferentes, eles passam o mesmo recado: o da insatisfação com o atual quadro.

Porque uma coisa é você não ter chances de ser titular por conta da excelente fase do seu “rival” – caso Renan/Jefferson. Mas o cara fica quieto, na dele, se observa que faz parte de um grupo comandado por um técnico competente – basta ver os reservas de ouro dos grenás (Belletti, Deco), que jamais deram um pio contra o Muricy.  Eles reconhecem o líder. Outra é você ficar na reserva, assistindo ao time lentamente naufragar, com seu empresário buzinando no ouvido: “Pô, vocè é jovem, vai ficar nessa roubada? Vamos arrumar um clube pra você jogar e se destacar!” – O mesmo, creio, vale para o Caio. O que deve ter de empresário, agente, cunhado e primo dizendo pra ele não se conformar em jogar de ala não é brincadeira.

A insatisfação interna não é o único problema do Joel. Ele tem duas frentes de batalha pra administrar: Natalino não conta com apoio na torcida – e os jogadores não são surdos, escutam os coros de “Burro, burro!” a cada substituição equivocada ou escalação mal resolvida. Sem contar a convicção de 9 entre 10 botafoguenses que, no peito do Santana, bate um coração rubro-negro.

Agora vai ser assim: ao longo do Estadual, Joel Santana tentará nos agradar – vai barrar o Alessandro se houver novas vaias, vai abraçar o Loco, vai jogar com 3 atacantes, vai fazer o diabo para permanecer no cargo com apoio do torcedor e da imprensa.

Só que fará isso de forma atabalhoada, sem padrão, sem treinamento, sem trabalho de médio prazo – o seu calcanhar de aquiles.

O Rei do Rio (título que ele adora) sabe muito bem que não tem grandes chances de bons empregos fora dos limites da Guanabara. E, no futebol carioca, suas opções também são quase inexistentes. O vasco vive situação vexatória; flu/fla estão com técnicos muito bem encaixados, contratados a peso de ouro, com multas rescisórias astronômicas.

Seu tempo acabou, Joel. Sua permanência, mesmo com a (perfeitamente possível, pois são quatro jogos decisivos e nada mais) conquista do bicampeonato, faz mal ao Botafogo.

Nós não gostamos da forma que você enxerga o futebol. Boa parte dos jogadores também não. E o recado ficará mais explícito a cada insucesso, a cada frustração com um time sem ímpeto de ganhar, de dominar o adversário, de estabelecer o ritmo de jogo. Nem queremos encantar, como em 2007; basta jogar sem medo.

Joel, levante a cabeça e veja o que está acontecendo no Oriente Médio.

Mesmo os reis mais poderosos perdem a majestade. Especialmente aqueles que perderam os súditos. Ou que nunca os tiveram.

E, para a diretoria alvinegra, um lembrete: a história é implacável com aqueles que não percebem a hora de mudar.

 

 

 

Anúncios

19 Respostas para “Joel Mubarak: O seu tempo chegou

  1. BAITA TEXTO, Marcelo! Parabéns! Perfeito!
    Eu não conseguiria fazê-lo (sério mesmo). Não sem mandar esse treinero egocêntrico e covarde para a PQP!!!
    Fora, Joel!
    Abs e SA!!!

    • Opa, valeu mesmo, Rodrigo! Na verdade, esse texto é resultado de uns pensamentos que vêm me (nos) atormentando já há algumas semanas – não dá mais para o Joel, e infelizmente a diretoria alvinegra, por uma estranha inversão de pa´péis, vai demorar pra fazer a mudança necessária, como se o Botafogo dependesse do Natalino – quando, é claro que é o contrário.
      Abração e SA,

  2. Fora, Joel! A renovação do seu contrato (R$ 270 mil) foi mais um equívoco da nossa bem intencionada diretoria. Esse salário dava e sobrava pra contratar alguém que desse um mínimo de padrão tático a esse ‘bando’ que (não) jogou contra o Bangu, e que tem mascarado com largos placares – contra adversários frágeis e combalidos – a clara e evidente falta de organização deste time que você (mal) dirige.
    Tem razão o Loco Abreu, que se desespera por que vê potencial na mediocridade da sua retranca.
    Obrigado por tudo e ‘hasta la vista’…

  3. the smiths?

    bom, 9 de 10, segundo você.
    então o 1 restante vai falar que não tem opção no mercado, que o papai é malandro e experiente etc e tal.

    saco cheio, cara.

    fora, joel!

  4. Parabéns pelo texto. Brilhante! Resume perfeitamente o sentimento de qualquer torcedor botafoguense que acompanha o time. Chega de vitórias de Pirro contra adversários inexpressivos.

    Joel, seu tempo no Botafogo passou.

  5. Amigos,
    Sou radicalmente contra a troca de treinador no meio de uma competição.
    Do mesmo modo que não estou nem um pouco feliz com as atuações do Botafogo em 2011.
    Ainda que com desculpas de início de temporada e de que os reforços chegaram tardiamente e demoraram mais ainda para a regularização, e que por iso o time não pode treinar com uma formação e jogar com outra, a verdade é que jogamos mal e sobretudo em desordem. Sintomas de um time mal escalado e mal treinado.
    O que realmente se constata é que a instabilidade/fragilidade de 2010 foi encoberta pelas contusões e eventuais erros de arbitragem e que se o Joel é o “Rei do Rio”, e os numeros confirmam, ele não sobrevive a campeonatos longos ou com adversários de bom preparo tecnico e tático.
    Em suma, para competições de baixo nível, e o carioca é, como quase todos os estaduais o são, o papai dá pro gasto. Ás vezes! Pra voos mais altos, não.
    O erro de lá de trás, a renovação, não deve persistir, mas sugiro que a diretoría procure com calma alguém pro Brasileirão e promova a transição com o pensamento no futuro e sem lavagem de roupa na imprensa ou estardalhaço que provoque danos maiores do que uma saída simples. Acho impossível de acontecer em tempos de Datena, Neto, Ratinho, Milton Neves e outros menos expostos, mas todos ávidos por sangue pois se alimentam dele.
    O Grande problema é que o Botafogo é grande em glorias mas pequeno em caixa. Isso claramente demonstrado nas contratações da virada do ano.
    Srs. Presidente e diretores. Vamos pensar a longo prazo e fazer um planejamento consistente. Por hora, pensem num nome para o Brasileiro.
    Hosni, pede prá sair! Joel, pede o chapéu!
    E.T: Estive em P. Alegre e constatei o que é planejamento de longo prazo e competencia na gestão de clubes de futebol. Outra hora eu conto.
    E. Sales

  6. O Texto mais uma vez disse tudo,aliás acho que sem Joel conseguiriamos sim aquele estadual do ano passado!
    Não consigo ser grato a um treinador que foi mais puxado o saco que qualquer coisa e lembrando que a cada entrevista que ele faz me dá impressão e sempre me deu essa impressão(vide épocas de Guarani,Brasiliense,Fluminense,Vasco e todos)de que chama torcedores de forma indireta de imbecil e de idiota e tipo assim: não aceito ser criticado,sou foda e sou intocável,tipo eu me basto!
    NÃO É ASSIM!
    E pior é ter gente que gosta disso,sou Botafoguense mais nunca apoiei Joel Santana,teve umas queimadas ou outras de língua que até iria,mas quem acompanha futebol sabia da barca que teria.Mais não muitos preferiram puxar o saco do Joel e até numa besteira feita,poucos elogiavam,sorte que minha torcida do fogão tomou vergonha na cara e viu as merdas que ele andou fazendo e abriu os olhos de forma boa!UFAAAAA!
    Acho que se Joel vazar,seremos felizes,aliás era pra ele ter vazado final do ano!
    Aliás Joel e a diretoria do Botafogo tem uma veia Flamenguista que faz a gente sofrer demais!precisamos de gente que ama o clube e não quer ver o clube indiretamente se ferrar!
    Uma coisa que eu tinha saudade em Estevam Soares: a sinceridade e a clareza que ele tinha até com todos nós torcedores.
    Não sou viúva de ninguém,só opino apenas!
    Agora sobre Fahel,Alessandro e esquema imbecil e alguns outros jogadores enquanto eles tiverem aí é bronca mesmo e não tem jeito!
    abraço e parabéns pelo o baita post e acho Joel mesmo com o seu jeitão irreverente um ditador,mais não é aquela imagem de ditador que muitos tem visto.Não aceita ser criticado e nem que brinquem com ele,só ele que pode fazer tudo,no Fogão isso não se podia nem ACEITAR!
    É isso e a tempos não consigo engolir Joel!
    Igor
    meu blog: http://igoresportes.blogspot.com/ e no twitter @blogdoigor05
    Quero ver meu Fogão feliz e não com gente assim no comando e nem com jogadores que criticam e vão por cabeça de empresários e vão de imaturidade e depois diz que ama todos os seguidores sendo que é mais fácil ver que ama grana de quem paga ingresso para ir ao Engenhão.
    Até o Caio eu ando me cansando dele e da conversa mole dele!

  7. Marcelo, parabéns pelo texto! Conhecimento dos fatos, propositivo e leal ao BFR.
    O Joel Bacana está igual ao ditador paraguai, Alfredo Stroessner. No plebiscito sobre sua permanencia no poder, para o Stroessner, o sim significava, sim fica e o não, significava, não vai.
    As vais não estão resolvendo, é preciso evoluir. Se faz necessário novas formas.
    As preleções do Joel não estão mais surtindo efeito. Se faz necessário, imagens, c/ riquezas do plano tático e técnico dos jogos do BFR. Bons vídeos serão melhores que dias intermináveis de preleções de prancheta.

    Saudações Gloriosas!

    Cléto Martins

  8. Marcelo,
    Repetirei o que todos escreveram: Maravilhoso texto!
    Repito, também, que não consigo enteder como a lenda consegue enganar parte da torcida.
    Você mencionou sobre a motivação que levou a conquista do estadual no ano passado e infelizmente sabemos que os motivadores não conseguem êxito por períodos longos.
    Percebo que todos os dirigentes que passaram pelo nosso amado Botafogo perderam, sempre, o tempo de fazer as mudanças. Infelizmente.

    Abs e Sds, Botafoguenses!!!

  9. marcelo,
    manda então mais desabafos porque é bom demais lê-los.

    abraço

  10. Joel Mubarak? grande sacada – ainda mais com aquele puta nariz. De zero a dez, onze! O fato é que ele não sabe o que fazer com o elenco. Se fosse o Sargentelli, o Natalino ia colocar as mulatas de casaco e atrás da cortina…

  11. Só quero lembrar uma coisa. Há, mais ou menos, um ano, após uma goleada histórica, humilhante, em pleno Engenhão, perdemos de 6 para o vasco. E Joel chegou e foi o salvador da pátria – ganhamos (fato histórico) o reles campeonato carioca (um campeonatozinho que nem deveria existir mais!) nos dois turnos, lembram-se?
    E quem foi o grande herói? Nem foi Jefferson, muito menos Loco Abreu. Todos nós (inclusive os que me antecedem nos comentários que só agora por absoluta falta de tempo posso ler) elegemos Joel Natalino (esse mesmo!) como o grande timoneiro (não ao nível de Mao) e como o maior responsável pelo título.
    Agora, um ano depois, parece ( e isso é comum no futebol) que o prazo de validade de Joel está vencido – vejam o caso do PC Gusmão que não aguentou nem a Taça Guanabara…
    Tudo bem. Mas, meus amigos (como diria o inesquecível João Saldanha), quem é melhor do que o Joel, está disponível e o Botafogo tem dinheiro para contratar? Me respondam sinceramente: o Botafogo nem tem Unimed nem o ex-Presidente Lula para apoiar!
    Eu sempre ouvi que em momentos de crise : “ruim com ele, pior sem ele”, ou vocês querem que Luxemburgo, Muricy, Felipão ou Mário Sérgio aportem em General Severiano?
    São reflexões de um “cabra” botafoguense que, um dia qualquer no tempo perdido, já viu o Botafogo jogar quase sem técnico porque tinha Nilton Santos, Didi, Garrincha, Gerson, Jairzinho, Quarentinha, Zagalo, e vai por aí.
    Hoje, o que temos? Jefferson e Loco Abreu e quem mais?
    Mudar o técnico significa mudar a qualidade dos jogadores? Sei não…
    Estou apenas usando o contraditório que, em direito, dizem os entendidos é “simplesmente” fundamental.
    Com o perdão da dúvida e com o abraço fraterno do (talvez) mais antigo alvinegro que participa desse tão festejado blog.
    Saudações botafoguenses!

  12. JOEL!
    Não passa de um BURRO COM SORTE!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s