Ceará 2 x 2 Botafogo: As duas fases do sonho

Sem tempo nem vontade de abusar da paciência de vocês com as reclamações (Leandro Guerreiro, sempre entregando nos jogos cruciais, Fahel, ridículo e Lucio Flávio, um fantasma que só aparece nas entrevistas para aconselhar Jobson e outras atitudes que só me dão mais raiva) e os elogios (a fase impressionante de Jefferson e a capacidade de decisão do Loco, alguém ainda vai ter coragem de falar que o uruguaio só é bom nas bolas aéreas?), de sempre, eu vos digo após o jogo de ontem.

O sonho do título acabou. E, convenhamos, era um pouquinho demais almejar a conquista com um esquema de jogo absolutamente defensivo, que só sabe tentar ganhar na base do salve-se quem puder – como ocorreu contra o Galo. Quem ganha jogo é meio de campo – e quem ganha título é a regularidade de boas atuações de meio-campistas: por isso, o Flu de Conca, o Cruzeiro de Montillo e o Corinthians de Elias, Bruno César e Jucilei estão na frente. O Botafogo já conseguiu ganhar o Carioca sem meio-de-campo; conquistar o Brasileirão com Lucio Flavio na camisa 10 seria uma aberração.

Mas o sonho da Libertadores continua vivo. Não tanto como antes, claro, e a nossa tendência – depois de duas atuações decepcionantes (pra dizer o mínimo) contra Avaí e Ceará – é desacreditar em qualquer capacidade técnica e tática nas três últimas partidas. Mas numa coisa (e apenas numa coisa) o Joel tem razão: Corinthians e Cruzeiro se enfrentam nesse fim de semana – e vão perder pontos (ou os dois, ou um deles). Esse time passará a ser o nosso rival na luta pelo G-3 (não acredito no G-4, um brasileiro será campeão da Sul-Americana) nas três últimas rodadas. Assim como, claro, Atlético-PR e Grêmio.

Cabe agora ao Botafogo vencer o desinteressado Inter (que não fará nenhum esforço para vencer a partida, para não prejudicar o rival direto do Grêmio) e o rebaixado Grêmio Genérico. E, depois, decidir a vaga da Libertadores no Olímpico, em jogo com clima de fim de campeonato. Jogo, aliás, que terá uma série de elementos adicionais de motivação: André Lima, em alta com o seu novo clube, fará de tudo para superar o Loco. O uruguaio, por sua vez, terá a chance de se vingar do time brasileiro que o escanteou na primeira incursão no futebol brasileiro. Sem contar o duelo Renato Gaúcho x Botafogo. Até agora nós ganhamos todas.

Teremos 10 dias até essas três partidas. Que o Joel faça bom proveito do tempo e prepare o time com o mesmo poder motivacional que ele conseguiu incutir nas finais do Carioca.

Foto: Site Terra

Anúncios

4 Respostas para “Ceará 2 x 2 Botafogo: As duas fases do sonho

  1. Quisera eu saber quando surgirá alguém na Diretoria do Botafogo com visão suficiente para mandar embora, emprestar, dar de graça ou desaparecer mesmo com os jogadores perdedores do atual elenco. Falar que o Lúcio Flávio é uma nulidade já é chover no molhado há anos. O time com ele entra com 10 contra 11. E a regularidade do Fahel e do Leandro Guerreiro em fazer bobagens (o primeiro quase sempre e o segundo apenas nos momentos decisivos) irrita qualquer um. Outro que tem que voar rápido do Botafogo é o Jobson. Mais cedo ou mais irá aprontar novamente. Só cego não vê isso. E tem mais: se o destino quiser que definamos a vaga para a Libertadores contra o Grêmio no Olímpico, por mais que eu seja botafoguense e torça para ganhar, não vejo como isso acontecer.

  2. Pois é, resolvi não falar do jogo em si e falar do BR-10 de forma geral.

    Dá uma lida quando puder:

    http://generalseveriano.wordpress.com/2010/11/11/agua-no-chope/

  3. Amigos,
    Sem querer ser o dono da verdade, até porque ninguém é, repito apenas um comentário neste mesmo espaço feito há alguns meses atrás.
    Nosso time não tem elenco para ser campeão este ano. Ainda mais com os desfalques que sofremos, temporários e definitivos.
    Não vale mais a pena mesmo falarmos de figurinhas carimbadas de nosso album. Não vou nem nomea-las para poupar-lhes da irritação.
    Numa análise fria (morna,… vai) algumas constatações:
    Não temos grana pra termos um elenco melhor no momento e erros de aquisição/escalação acontecem em todos os times. Vide Washington no flu,
    Iarley nos gambás, e o próprio Ronaldo que chupam o sangue de seus times.
    Já que sabemos e sofremos com o que temos de ruim, falemos de coisas boas e dentro da realidade:
    Saimos de 2009 com a cueca suja. Esta é a verdade. Hoje estamos noutro patamar. Não o que queremos, mas o que podemos dentro da realidade atual.
    Não temos o patrocinador com caixa gorda. Ainda assim, temos um time base para 2011.
    Temos um estádio que será fonte de receita adcional pelos próximos 3 a 4 anos. Vamos melhorar financeiramente.
    Joel não é um excelente técnico. Talvêz nem um bom, mas não o trocaria por PC, Luxa, Roth, Renato Gaucho, etc.
    Temos grana pra bancar o Muricy? o Dorival? Acho que não.
    Então, lutemos pela Libertadores e fiquemos contentes se a conquistarmos.
    Ano que vem, vamos tentar mais um degrau.

  4. Eu, cá de minha parte, a fazer 72 anos – dos quais 60 dedicados ao Botafogo – posso me considerar um homem feliz com o nosso time em 2010. Afinal de contas, somos os legítimos campeões cariocas (e, em cima do flamengo!) e, bem diferente do ano passado, estamos a lutar por uma vaga na Libertadores.
    Para que saibam: no ano passado, por esses tempos (final de novembro) fui ao cardiologista (também botafoguense) que me receitou Olcadil para os dias que anteceram o 5 de dezembro, quando o nosso time lutava desesperadamente para não cair.
    Este ano, estou é tomando um bom vinho português, comendo uma boa posta de bacalhau ao forno e quem talvez precise tomar ansiolítico é a rubronegrada…
    Em resumo: para mim, 2010 foi um ano de vitórias num mar que, se não foi totalmente de tranquilidade, não teve terremotos nem tsunamis!
    Com o estimulante maior – todos do Rio, sem exceção, tiveram que jogar no nosso Estádio, aquele que fica em Engenho de Dentro e que – queiram ou não os urubus, pós-de-arroz e bacalhaus da vida, atrás dos gols e na placa central do campo, ostenta a gloriosa e sempre linda estrela solitária!
    E tudo isso foi feito sem precisar vender o clube a algum patrocinador com dinheiro fácil…
    Palmas, meus amigos, muitas palmas para o presidente Maurício Assumpção, para o técnico Joel Santana e para os dois jogadores que em 2010 honraram (como Garrincha e Jairzinho já fizeram) a camiseta alvinegra – a mais bonita do Brasil: Jefferson e Loco Abreu.
    Como diria o oitentão Sílvio Santos: Palmas para eles, que eles merecem!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s